Slides e Links de Todas as postagens

02 maio, 2012

Minha fobofilia.


   No início da minha vida escolar fui matriculada em um colégio católico, eu tinha cinco anos, já sabia ler porque aprendi em casa.   Meu pai era militar, muito rígido e exigente, esquecendo-se aparentemente que estava lidando com a esposa e os filhos pequenos.   Ele e a madre superiora do colégio onde estudei foram os desencadeadores da minha fobofilia, mas principalmente ela, porque meu pai era apenas a ligação com a punição física e psicológica de alguém despreparado para educar adequadamente uma criança, devido à vida que ele tinha no quartel na época da ditadura opressiva; no entanto ela era pedófila.
   Apesar de tudo eu era uma criança hiperativa e, claro, fazia as minhas peraltices, tinha uma atração pela altura, gostava de estar em telhados e árvores muito altas, em cima de guarda-roupas ou qualquer lugar onde eu me visse fora de alcance e visão de todos, observadora, não sei, ainda é um grande prazer para mim.   Este hábito me custou muito durante os dois primeiros anos escolares, as professoras freiras quando me descobriam nas alturas faziam aquele alarde e se a madre superiora ficava sabendo me pegava e levava para a capela ou para sua cela.   Dentro da capela vazia era escuro, eu via as imagens nos nichos das paredes laterais e ela dizia que eu estava sendo observada, que se pusesse os pés no chão viriam criaturas que me pegariam os pés.   As vezes eu sentia uma vontade imensa de fazer xixi, mas não saia dali e nem me atrevia a fazer.   Se ela me levava a sua cela era ainda pior e foi exatamente lá que houve uma ligação com o medo e o prazer erótico, ela trazia não sei de onde, pequenos animaizinhos, como pererecas, besouros, baratas, lagartixas...   Eram diversos, acho que era o que ela conseguisse encontrar, fora isto tinha os pombos que as vezes pousavam na pequena abertura no alto da parede da cela, onde não havia nenhum tipo de coisa que fechasse, era uma abertura pequena, não permitia a passagem nem mesmo de uma criança e era quase no teto.   Ela dizia que se ela permitisse, os pombos entrariam por ali e me bicariam toda, furando meus olhos e minha pele.
   Frequentemente me atava os pulsos as costas com algum lenço ou coisa similar e colocava os bichinhos perto de minhas pernas ou até mesmo sobre mim.   Me fazia ameaças para eu não revelar o que acontecia, dizendo que na próxima aula ela colocaria dentro confessionário e me deixaria fechada lá, onde os bichos sairiam do chão e me pegariam os pés, me devorariam viva...   Fazia ameaças terríveis de se fazer a uma criança.   Frequentemente mexia em minha vagina, dizia que estava verificando se fiz xixi, mas não era isto o que ela fazia, contudo eu não tinha idade para entender isto naquele tempo.    Nem todos sabem, mas o prazer erótico nasce com a gente, está presente desde os primeiros dias de vida, só não temos noção ou controle sobre ele e, aquela mulher estava estimulando os meus diante dos medos que ela me impunha, fazendo com isto uma ligação de prazer e medo.   É lógico que quando ela não fazia isto havia apenas o medo e ele sozinho era apenas desagradável, como ainda hoje é.   Para que o medo desencadeie uma reação de prazer extremo é preciso que ele venha combinado adequadamente com estímulos sexuais, sejam físicos ou psicológicos, na verdade é muito melhor quando começa pelos estímulos primeiro, passando para a ameaça com o objeto do medo e tornando ao estímulo.
   
   Em suma foi assim que nasceu a minha fobofilia, a partir de uma pessoa criminosa, sádica e pedófila.   Não ficou ligada a figura feminina, porque na verdade, aquela mulher alta, mais que todas as outras freiras, magrela e desprovida de seios, com voz grossa, não parecia exatamente uma mulher para mim, parecia-se mais com um homem que com mulher, eu não pensava nela como mulher ou homem, era apenas meu algoz. 
   Não sei se falava-se em pedofilia naquele tempo, mas é muito importante os pais observarem as reações das crianças, pois este tipo de assédio vem junto de fortes ameaças de não contar nada a ninguém.    Aliás, as ameaças e constrangimentos em reservado passaram a ser também associados a erotismo na minha cabeça, eu ainda não tinha nenhuma formação religiosa, então via uma imagem de uma santa que havia na cela apenas como uma mulher a me observar.  
   Durante muitos anos estas lembranças ficaram suprimidas, ocultas em algum lugar, eu só tinha as reações aos medos sem saber de onde vinham, até que, quando foi vinculado ao erotismo elas começaram a aflorar novamente, precipitando-se ao ponto de eu procurar um analista, mas não o frequentei muito tempo...
   Hoje sou uma pesquisadora, tenho um senso de auto análise que considero bastante relevante e, francamente, agora que estou consciente de tudo isto, não sei se quero me livrar das fobias, consigo conviver com elas e meu parceiro, meu Dono, consegue obter resultados extraordinários disto.      Lógico que eu teria medo de viver isto com qualquer outra pessoa; confio Nele, sei que Ele tem controle de até onde pode levar as coisas, cada detalhe, me ouviu por muito tempo, me observou por mais de um ano antes de começar sutilmente a estimular alguma coisa, não teve pressa alguma e tudo foi paulatino.   Fobia é um sentimento muito forte, com reações muito extremas da pessoa, pode piorar as coisas, o que Ele não deixa acontecer comigo, acho até que no cotidiano convivo melhor com elas do que antes Dele, portanto é preciso uma confiança extremada na pessoa que vai ‘brincar’ com nossos medos e é importante que no início de onde eles surgiram, que é geralmente na infância, estejam ligados ao erotismo, ou não vai resultar.   Fobia é uma coisa, fobofilia é uma outra coisa, pode estar ligada aquela, mas não é ela e, assim como as fobias, as fobofilias são variadas, cada pessoa é um universo a parte.

Por Dorei Fobofílica.





P.S.:  Peço desculpas por não ter respondido aos comentários quando deixei o blog em suspenso, mas irei responde-los agora, gradualmente, dos primeiros para os últimos.

Deixo meu carinho para todos os amigos que por aqui passam.

10 comentários:

Eroticamente (In) Correto disse...

Infelizmente a pedofilia é um mal encravado no seio da nossa sociedade e não é nem pela falta de leis e sim pela imposição de silêncio vinculada à ela. Eu acho lamentável que tudo isso tenha acontecido com vc Dorei. Todavia, como em tudo há sempre um lado positivo, você literalmente fez do limão, uma limonada. Hoje é esta mulher maravilhosa, inteligente, pesquisadora e acima de tudo, conhecedora de seus medos, desejos e prazeres. Sou teu fã e você sabe disso.
Sempre!


Beijo do IN_

O caminho de perséfone core disse...

Nossa Dorei, que horror! Que mulher cretina! Fazer isso com uma criança!
Bom...já escutei coisas terríveis desses colégios católicos de dois amigos meus e felizmente, como vc, eles conseguiram reverter a situação psicologicamente tensa que viveram em tão tenra idade.

Confesso que fiquei muito curiosa para conhecer esse termo "fobofilia" e vc conseguiu explicar com maestria.
Também tenho prazer em sentir medo e meu DONO consegue dosar bem alguns atos e me conhece muito bem.
Tais vivências são para serem repartidas com alguém no qual temos absoluta confiança, do contrário o prazer torna-se um transtorno.

Obrigada por trazer a tona, um assunto que leva a reflexão.

Beijos!
{perséfone core}_DC

{princess kitty}龍戦士 disse...

Oi amada!

Esse seu post mexeu muito comigo, as palavras estão meio presas aqui na minha garganta, mas vamos lá...

Você me emocionou ao tratar um tema tão sério com tanta sensibilidade e delicadeza. Um dos posts mais corajosos que há li em minha vida, você deve ter ido muito fundo dentro de si mesma para conseguir se abrir e revelar da forma que o fez.

Parabéns por se expor, por expor o que acontece e que muitas vezes não vemos, e principalmente por mostrar que mesmo na dor você se superou e se tornou essa mulher forte, consciente da sua sexualidade, do seu corpo , no controle da sua vida.

Quero deixar um abraço bem apertado na menininha que você foi e que gostaria de ter podido proteger e um beijo de admiração na mulher corajosa que ela se tornou.

Miaubeijos e conte com meu carinho e respeito sempre =^.^=

► JOTA ENE ◄ disse...

ººº
Concretamente adorei a imagem da 'viuva negra' na xaninha dela, rs

Beijo[ta]

Mar... disse...

Amada...vc é uma guerreira viu....
Parabéns pela coragem de contar isso a nós...
E parabéns por explicar tão bem sobre a fobofilia...

Vir aqui é sempre um ótimo aprendizado...e cada dia te admiro mais viu...
Estou sempre com vc...
Quando vc não posta...eu estou com vc nos e-mails que te envio...e no meu coração...

Bjs amada amiga...

aldrey disse...

Menina to boba,e ao mesmo tempo com raiva dessa mulher,odeio pensar em pedofilia,tenho vontade de matar esse povo,nunca fui molestada,mas descobri em minha familia um pedófilo,era marido de minha avó,conviveu 20 anos conosco e nunca tive certeza de suas intenções.Mas desconfiava da maneira com que ele me olhava quando eu tinha 13 anos,mas nunca tentou nada,até porque eu tinha a cara fechada não gostava dele...Mas em compensação ele abusou de uma prima ,onde ela falou pra minha avó mas ela não acreditou,e foi abafado essa história,mas depois de anos,acabei descobrindo que ele abusou da filha da minha prima,e com muita raiva qnd a menina relatou pra mim o acontecido,minha filha com 8 anos estava perto quan do ela relatava a história e ,tbm falou que ele havia abusado dela,a minha raiva era tão grande a ponto de querer mata-lo,mas deixei passar para não expor as crianças,acabei virando a ovelha negra da familia,cortaram ainda relação comigo,pois minha avó ainda não acreditou e falou que eu queria acabar com vida dela!!Não falei mais com minha avó e ela morreu tempo depois ,de tristeza por saber que eu estava certa!!Ele fugiu depois da morte dela...Mas eu não consigo esquecer do fato,isso caba comigo...Mas a vida segue... bjsss querida não deve ter sido fácil pra vc...

{Esther}--DC disse...

Dorei, querida, andei afastada , mas não esqueci de você. Continuo te acompanhando e me emocionando com teus escritos. Saber um pouco mais de vc. me faz te admirar mais ainda. Um grande beijo... da tua amiga, Esther.

Cabrito Lunático disse...

Querida Dorei, estou um pouco atrasado, mas fiquei chocado com sua história, infelismente estas maldades continua acontecendo aos montes, e a sociedade faz muito pouco para evitar estas chagas que atacam as crianças.
bj gde e ripa na chulipa

Deh... disse...

Minha querida honestamente li esse post no dia que vc publicou mas, acredite eu nao soube o que comentar, fiquei chocada com tudo que li, indignada. É dificil falar algo que nao tenha haver com odio, raiva, um ser humano que se diz racional deveria ser incapaz de tal atitude, tenho tanto nojo de tudo isso, aff, a punição para esse tipo de atitude devia ser a mais severa possivel.

Graças aos Céus que toda essa situação a fez tornar-se uma mulher forte e guerreira, graças a Deus que vc é essa pessoa iluminada. Admiro muito vc, mais e mais a cada dia.

Beijos cheios de carinhos em vc

Domme Amanda® disse...

Dorei querida
Obrigada pelas visitas a meu blog, desculpe a ausência, mas lá explico o porque de tudo. Fique com Deus e tenha um maravilhoso dia.
Beijokas
Domme Amanda®

Seguidores

AVISO:

As imagens contidas neste blog foram tiradas de sites de busca, estando disponíveis livremente na rede, sem fazer referencia aos autores. Entretamto sem o intuito de usar material de terceiros indevidamente, digo que, caso voce seja autor de alguma delas e deseje que a retire, deixe um comentário e a retirarei ou colocarei os devidos créditos se for da tua vontade.

Atenciosamente;
Dorei Fobofílica.